Como vender seus conteúdos em diferentes redes sociais?

Escrito por Lastlink

Escrito por Lastlink

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

É muito provável que todo criador de conteúdo já tenha ouvido falar sobre monetização. Porém, por mais que muita gente pense que sim, não existe fórmula mágica para ganhar dinheiro na internet. É preciso muito trabalho, esforço, persistência, produção de conteúdo e… Adivinha? Mais produção de conteúdo. 

A confeiteira e decoradora de bolos Ana Elisa Salinas (@anaelisasalinas) é uma das pessoas que  colocou a mão na massa – literalmente e digitalmente – e conseguiu construir uma carreira de sucesso  e conta com o auxílio da Lastlink para gerenciar seu Close Friends no Instagram.

Ana Elisa, que possui mais de 60 mil seguidores no YouTube e 580 mil no Facebook, participou de um bate-papo muito animado e esclarecedor com Malu Zanutto, que faz parte de uma série de lives realizadas no nosso Instagram, a Lastlink Talks.

Você também pode acompanhar tudo em nosso Spotify:

O sorriso estampado no rosto e o bom humor que transborda em suas palavras mostram que Ana Salinas é uma pessoa realizada e apaixonada pelo que faz. Com a ajuda dela, a gente quer que você se inspire, e também descubra novos caminhos para monetizar seus conteúdos em diversos canais. Aliás, nossa convidada carioca e parceira já ultrapassou a marca de 280 mil pessoas que a seguem no Insta!

Como tudo começou

Desenhista industrial por formação, Ana Salinas começou a tomar gosto pela criação de bolos há 30 anos. Na ocasião, ela e a mãe decidiram preparar juntas o bolo do primeiro aniversário da sua sobrinha. Coube à Ana cuidar da decoração da iguaria, meio que de brincadeira. O resultado acabou agradando demais as amiguinhas presentes na festa .

A partir dali, a dupla passou a ser solicitada para frequentes encomendas de bolos. Com a demanda crescente, Ana acabou por “demitir o patrão” (ela trabalhava numa multinacional) e passou a se dedicar totalmente ao próprio negócio.

A mãe era dona da primeira loja de comida congelada da cidade do Rio de Janeiro e resolveu dividir o tempo entre essa função e a produção dos bolos. Tudo “sem a mínima pretensão”, de acordo com Ana Salinas.

Close Friends

Por conta do curso da faculdade, do qual se formou em 1994, a tecnologia já era um terreno conhecido para ela. E isso facilitou a sua adesão ao universo digital e às redes sociais. Na verdade, foi no pré-histórico Orkut, onde ela começou a receber mais pedidos depois de postar – despretensiosamente – uma foto de bolo.

Ana Salinas conta que uma das principais características do seu trabalho é criar decorações com acabamentos que geram muitos elogios, utilizando-se de materiais simples do dia a dia. “Coisas que você tem nas gavetas de casa, como palitos de dentes, elásticos, fio dental”, expõe. 

Em seu ateliê, ela costuma produzir bolos para grandes festas, com centenas de convidados. Com a decretação das medidas de distanciamento social, ocasionadas pela eclosão da pandemia da covid-19, em março de 2020, o mercado em que ela atuava parou, permanecendo fechado de maneira total ou parcial até a pouco tempo. “Eu precisava manter uma renda”, explica. 

Foi em conversa com uma conhecida que mora nos Estados Unidos que surgiu a ideia de usar o “Close Friends”, o recurso dos amigos próximos do Instagram. “Lembro que minha amiga até disse: ‘Você tem essa capacidade de ensinar as pessoas, com materiais simples, por mais longe que estejam, no interior, em lugares onde não há confeitarias e lojas, eu posso chegar a todos”, contou Ana.

“A partir daí comecei a estudar mais sobre o Close Friends e dei de cara com a Lastlink. Eu não fazia ideia que o conteúdo distribuído por meio dos stories poderia ser monetizado, continuando a oferecer para o público os meus cursos – que antes eram presenciais”, relembra.

A Panelinha e a Universidade da Aninha

Apesar de se considerar “uma artista e não uma vendedora”, Ana Salinas tem conseguido manter uma dinâmica de trabalho rentável. Hoje, o seu conteúdo monetizado vem do projeto Panelinha, que acontece em seu Close Friends com o suporte da Lastlink.  

Neste momento de pandemia, ela optou pelo menor tíquete possível: o valor de R$ 5, pagos mensalmente pelos usuários, e que recebem conteúdos toda semana relacionados ao projeto Panelinha da Aninha. “Com isso, quero abranger o maior número de pessoas pelo menor valor, com o melhor conteúdo possível”, explica.

“Também estou focada no curso oferecido no perfil privado, que batizei de Universidade Ana Salinas. Só participa quem é assinante e tem acesso a cursos ao vivo mensais, que ficam gravados. Então, quem está lá tem acesso a todos por meio de um link”, informa Ana.

Durante essas aulas ao vivo, as pessoas podem participar enviando perguntas e tirando dúvidas com a própria Aninha, como ela também é carinhosamente chamada. No caso da Universidade da Ana Salinas, a inscrição custa R$ 120, com direito a usufruir de 16 cursos disponíveis, de cerca de quatro horas cada, e os novos, que são incluídos periodicamente.

Ana Salinas mantém duas pessoas que trabalham basicamente online, atendendo o público e tirando dúvidas mais técnicas. 

“A gestão [do negócio], a Lastlink já faz pra mim de uma forma muito boa. Mas o que mantém o negócio mesmo é o conteúdo. Se você tem um conteúdo denso, interessante, não é preciso ser um grande empreendedor ou empresário para chegar nas pessoas que você quer”

Ana Elisa Salinas

Estratégia de vendas

E como Ana Salinas vende seus serviços e produtos? “A minha estratégia de vendas é mostrar o meu conteúdo”, responde. “Não digo simplesmente compre. Eu mostro o meu conteúdo e tudo que posso oferecer. Porém, mais uma vez reforço: se você tem um conteúdo legal, o seu negócio está 90% pronto. É só ter uma plataforma como a Lastlink para te ajudar a gerir”, aconselha.

“Eu mostro o bolo do mês, mas também há os anteriores, esse, esse e esse. Se quer, vem”, expõe Salinas, com seu jeito sempre bem-humorado

Relação com a comunidade

A comunicação com a comunidade de seguidores é um ponto bastante importante e que deve ser muito bem observado por quem deseja trabalhar com vendas na internet. “A cada 15 dias, aos domingos, abro caixas de perguntas para a galera da Panelinha da Aninha falar diretamente comigo. E as respostas são feitas em vídeo, diretamente para a pessoa”.

Para dar conta das muitas mensagens que recebe diariamente, cerca de 200, ela tem a ajuda de duas pessoas, que respondem a dúvidas mais técnicas e realizam uma primeira filtragem.

Por conta da pandemia, Salinas diz que seu trabalho migrou quase que integralmente o mundo digital. “Minha vida agora é gravar conteúdo”, brinca. “Com isso, eu chego em pessoas que jamais atingiria no presencial. Não posso dizer que houve um lado bom da pandemia. Mas se teve algo diferente, foi o de poder enxergar que eu atinjo pessoas diferentes”, reflete. 

Ana inclusive cita o caso de uma aluna da Universidade Ana Salinas que mora no Japão. “Minhas aulas ao vivo costumam começar às duas horas da tarde, no Brasil. Ou seja, ela começa a acompanhar às duas da manhã. Quando que eu poderia estar com essa pessoa, ensinando o que eu ensino?”

Apoio da Lastlink

Ana Salinas destaca a importância da Lastlink no gerenciamento do trabalho dela. “Eu me senti muito à vontade com a plataforma. É tudo muito intuitivo. O dashboard – que é a página inicial de produtor – me mostra o controle de quantos membros há, quantas pessoas faltam pagar. Enfim, esse tipo de controle técnico e também o de casos específicos. Vocês têm uma rede de apoio no chat que é muito legal. Esse suporte deixa a gente à vontade, no sentido de que eu posso fazer meu conteúdo e o resto fica com vocês. Qualquer problema operacional que a gente tenha com o assinante é resolvido de uma forma muito rápida”, elogia.

Rotina de trabalho

Ana Salinas faz um pré planejamento de tudo que vai postar durante a semana, aproveitando-se inclusive de datas comemorativas como Dia do Café, dos namorados, entre outros. Mas ela chama atenção para um detalhe importante, que é de se educar para cumprir os próprios prazos e ações agendadas.

Ela também procura seguir à risca a publicação de conteúdos destinados para os perfis específicos e mesclar os temas dos posts em seu perfil pessoal aberto, “Para não encher o saco de quem te segue”, conta.

Dicas e realização pessoal

Mesmo para quem trabalha de forma presencial, Ana Salinas recomenda uma dedicação mínima ao digital. “É uma grande saída para você ter uma monetização paralela, nem que seja produzindo semanalmente, mensalmente”.

“O que é sucesso para você? ‘Ah, é ficar famosa, rica, bilionária, é ter um milhão de seguidores’… O sucesso, para mim, é alcançar as pessoas que começaram perdidas durante a pandemia, sem emprego e renda, chegar neles e propor ideias para se monetizar de uma maneira diferente”.

E complementa: “Mas não adianta você contar com a Lastlink para gerir o negócio se o seu conteúdo for fraco. Não vai alcançar quem você quer. O legal da Panelinha da Aninha é que, pelas respostas que recebo, estou mostrando um produto para quem está precisando dele. Então, o grande segredo é este: atingir quem precisa do seu negócio/conteúdo. Saia da mediocridade, apresente um algo mais”.

Três dicas super rápidas da Aninha

  • Entenda seu público, abra a caixa de perguntas; interaja com ele;
  • Não se assuste com o investimento inicial, comece com o que você tem;
  • Grudem em uma boa plataforma. Ou seja, a Lastlink

Agora vamos falar de negócios?

Na Lastlink criamos soluções digitais para que as pessoas possam viver do que amam. Simplificamos processos de assinatura e gestão de membros, dando ao criador de conteúdo a possibilidade de focar no que ele faz melhor: criar conteúdos relevantes.

Aqui você ganha:
+ mais tempo para se inspirar e explorar novas possibilidades com sua comunidade;

+ finanças organizadas em um dashboard exclusivo;

+ organização de assinaturas em tempo real;
+ ferramenta de e-mail marketing;
+ suporte de um time de especialistas para te ajudar. 

E já que o assunto é lucrar em diferentes canais…

Criamos um guia de boas práticas para as redes sociais, com todas as dicas sobre os principais canais que os criadores de conteúdo estão usando.

BAIXE AQUI O SEU E-BOOK GRATUITO

Separamos esses posts para você

Como monetizar o Youtube

Quer saber como se monetizar usando o YouTube? O maior site de vídeos do mundo tem servido para dar novos rumos a

Crie sua comunidade e comece a monetizar seu conteúdo!